O povoado de Santo Antônio (Araquém), Coreaú-CE


Araquém é um distrito do Município de Coreaú, no estado do Ceará, localizado a cerca de 18 km a oeste da sede municipal. É um dos povoamentos mais antigos do estado, tendo dentre as principais famílias fundadoras os Cardoso e Teles de Menezes.

Segundo Pildas (1990), o povoamento de Araquém teve início provavelmente no início do século XVIII, ao redor da pequena "Capela de Santo Antônio de Pádua do Olho D'Água do Curuayhú" próximo ao riacho Juazeiro (afluente do Rio Coreaú). Considerando que a pequena capela foi inaugurada no ano de 1742, Araquém corresponde a um dos mais antigos povoamentos da região do Vale do Rio Coreaú. Inicialmente, o povoado chamava-se "Santo Antônio", em homenagem à pequena capela - nome que prevaleceu durante mais de dois séculos, até que, em 20 de dezembro de 1938, teve seu nome mudado para Araquém, em homenagem ao Tucháua Tabajara pai de Iracema (personagem alencarina).

O terreno no qual foi construído a capela de Santo Antônio de Pádua (localizada no centro de Araquém) foi doado pelo Sargento-Mor Manuel Dias de Carvalho e por sua esposa, D. Bárbara Cabor de Olival, em 3 de agosto de 1726 (Pildas, 1990). Segundo Sampaio (1976, p. 91) Manuel Dias de Carvalho teria chegado ao Ceará no ano de 1705, para se apossar das sesmarias que lhe haviam sido concedidas por "El Rey de Portugal", às margens do "Rio Coreahu", que correpondem atualmente aos municípios de Granja, Coreaú, Camocim, Martinópole, Uruoca, Frecheirinha, Moraújo, Chaval e Barroquinha.

No ano de 1757 foi criada a "Freguesia de Santa Cruz do Coreaú" nas sesmarias do Sargento-Mor Manuel Dias de Carvalho. A freguesia recebeu ainda as denominações de "Ribeira do Coreaú", "Macaboqueira" e, posteriomente, "Nossa Senhora da Piedade da Várzea Grande". Algumas décadas após a independencia política do Brasil (1822), a freguesia de Varzea Grande sofre sua primeira framentação territorial, com a emancipação do município de "Palma" em 24 de setembro de 1870 (que corresponde atualmente aos municípios de Coreaú, Freicheirinha e Moraújo). O povoado de Santo Antônio deixa então seu vínculo com a "Varzea Grande", passando a integrar o município de "Palma". Posteriormente, durante o Estado Novo (1930-1945), foram feitas várias alterações toponímicas no Ceará, de modo que Varzea Grande, Palma e Santo Antônio passaram a ser conhecidos, respectivamente, como: Granja, Coreaú e Araquém (Sampaio, 1976; Campos, 2008).

Segundo Pildas (1990), quando foi fundada a "Freguesia da Ribeira do Coreaú", em 1757, a capela de Santo Antônio de Pádua, situada na praça central de Araquém, era a única da região, de modo que foi elevada à condição de Matriz interina pelo então bispo de Olinda Dom Francisco Xavier Aranha. A Capela de Santo Antônio do Arquém continuou em condição de igreja matriz até o dia 8 de setembro de 1759, quando terminou de ser construída a Igreja Matriz de Granja, na sede da Freguesia. Com a fundação de "Palma", no fim do século XIX, a capela de Santo Antônio passou então a ser sufragânea da Matriz de Coreaú. Por volta de 1966 a capela de Santo Antônio estava em ruínas, tendo sido tombada e reformada pela Prefeitura de Coreaú no ano de 1993.


Capela de Santo Antônio de Pádua, em Araquém.
Foto: Marcelo Teles


Referencias
CAMPOS, F. Anuário do Ceará 2007-2008, Fortaleza: O Povo, 2008, 655 p.
PILDAS, L. Santo Antônio de Pádua do Olho DÁgua do Curuayhú, hoje Araquém, Jornal O Povo, 11/07/1990.
PILDAS, L. História de Coreaú (1702 - 2002), Sobral: Expressão, 612 p.
SAMPIAO, D. Anuário do Ceará: 1976, Fortaleza: Stylus, 1976, 785 p.